Volta ao trabalho da mamãe e introdução alimentar do bebê

sexta-feira, 15 de abril de 2016
postado por Tatiane K.

Depois de ver a palestra "Alimentação intuitiva, comensalidade e abundância" da Fabiolla Duarte no Segundo CONALCO (Congresso online de atualização em alimentação complementar) resolvi organizar a minha volta ao trabalho e a introdução alimentar da Lara da seguinte forma:


Ensinar a Lara tomar o leite materno de outra forma: Quarenta dias antes da Lara completar 6 meses, comecei treinar várias técnicas de introduzir o leite materno. A Lara não aceitou copinho, colher, copo de transição, mamadeiras... fui no Banco de Leite pedir ajuda e mesmo assim não deu certo. Quando ela via o copinho de leite fechava a boquinha e não abria por nada, chegava ser engraçado. Duas vezes por dia treinava alguma técnica de fornecer o meu leite para ela. A pediatra indicou a mamadeira da MAM pelo formato do bico anatômico. A Lara mordia o bico da mamadeira e com isso saia as gotas de leite e ia engolindo. Isso leva horas para tomar uma mamadeira. Mas ela não aceitava a mamadeira mais que alguns minutos. Voltei para o copinho e ela pegou, ufa! Porém, só eu consegui dar o leite no copinho. Eu tenho as "tetas", outros possíveis cuidadores deveriam aprender. Minha mãe correu, meu marido não teve a paciência devida. Liguei para a escolinha e a orientação foi ensinar a Lara tomar o leite no copinho, adorei essa orientação.

Depois de muitas tentativas, os cuidadores conseguiram ofertar meu leite naqueles copinhos de suco, bico duro com furinhos. Vão derramando na boquinha dela aos poucos e ela vai engolindo. Ela quer segurar o copinho, fica toda animada quando vê o copo, sabe que tem leite da mamãe. Etapa vencida com sucesso.

Volta ao trabalho: Eu mesma rompi o laço criado com a Lara até esse momento (6 meses) e desempenhar outro papel, dureza, hein! A volta ao trabalho nada mais é que um luto materno, que precisei acolher e reconhecer socialmente. Legitimei esse luto, vivi esse momento de transição de um estado para o outro, doeu na alma por uns 2 meses, agora no terceiro mês, estou bem. É natural as crianças demorar a comer quando a mãe volta ao trabalho. Voltei a trabalhar no dia que a Lara completou 6 meses. 

Introdução dos alimentos: No ocidente tem essa regra de introduzir os alimentos antes do bebê querer comer. Não é porque o bebê tem 6 meses de idade, ele está pronto para comer, não é motivo de angústia se ele não quer comer. Não tem como saber o dia que o bebê vai comer. Até 1 ano, o leite materno é o principal alimento do bebê. Em especial, em livre demanda, ou seja, na hora que o bebê quer. Livre demanda ajuda atender as necessidades do bebês, fome, sede, segurança, sono... e manter a fábrica de leite ativa, quanto mais sucção do bebê, mas leite é produzido. Mais ou menos em 1900 os bebês começavam a comer espontaneamente por volta dos 8 meses. Eu cansei de ouvir outras mães falando que o bebê começou a comer bem por volta de 7 a 8 meses. Por que forçar?

Com 6 meses e 3 dias oferecemos o primeiro alimento da Alimentação Complementar*

Registramos esse momento.



Foto Sabrina Besen
Por isso, fiz essa escolha, indo contra a pediatra e a sociedade em geral (sou do contra mesmo risos). Um passo de cada vez, tudo no seu tempo. São muitas adaptações minha e da Lara por volta dos 6 meses. Então, decidi viver um momento de cada vez, confiei no processo e esperei. Também para uma melhor adaptação da Lara, muitas novidades em tão pouco tempo.

Mamada anterior do momento que provou o primeiro alimento da alimentação complementar, com 6 meses e 3 dias
Vacina dos 6 meses: Momento de tortura para mim e para a família toda, mas precisa. Depois da primeira semana na escolinha chegou o dia da vacina. Então, dedicamos esse momento 100% para a Lara, cuidar dela, muito amor, carinho e leite para amenizar os efeitos colaterais da vacina Hexavalente. Nesses dias, sem alimentação complementar, ela não quis.


Escolinha: Com 6 meses e 5 dias a Lara foi para a escolinha, período integral. Pedi para a professora introduzir as frutas (menos as ácidas) no horário dos lanches sem forçar, somente provar. Continuei com o aleitamento materno como principal fonte de alimentação. A Lara sente muitas saudades, a mãe mais ainda. O leite é símbolo de vínculo materno. Por isso, a criança quer firmar o vínculo, quase um protesto: "Quero minha mãe!" Ela precisou de um tempo para se adaptar a esse novo mundo. Acompanhando a agenda dela, dos 6 aos 7,5 meses ela aceitava lanche da manhã com mais facilidade do que o lanche da tarde (fruta). Esse 1 mês e meio foi provando as frutas na escolinha e em casa, eu oferecia legumes. Então era hora de oferecer o almoço na escolinha, um alimento salgado (sem sal, proibido até 1 ano), segundo a professora, a Lara aceitou bem. Agora também aceita bem a janta.

Depois da adaptação e no tempo certo seguindo as orientações da OMS** pode oferecer os alimentos complementares conforme o tempo do bebê, que é único, não tem data e nem hora certa.

A Lara começou comer bem com 8 meses e 22 dias, ela atacou uma banana, não acreditamos quando vimos a cena. Agora ela come com vontade, em casa e na escolinha. Não são todas as refeições que come bem, mas prova.

De forma resumida, a alimentação da Lara até um 1 ano de idade é:

São 4 refeições por dia até o momento:
Lanche da manhã: fruta
Almoço: salgado (sem sal)
Lanche da tarde: fruta
Janta: salgado (sem sal)

Leite materno morno em banho-maria à vontade na escolinha. Em média são 3 copinhos de mais ou menos 80 ml por vez.

Amamentação livre demanda no período que estamos juntas, todos os dias da semana na hora do almoço vou até a escolinha amamentar ela.

Proibidos:
Sal – até 1 ano de idade;
Açúcar – até 2 anos de idade;
Industrializados em geral;
Fígado;
Camarão e outros frutos do mar - Potencial alergênico;
Mel – até 1 ano de idade;
Sucos naturais e de caixinhas – Alta carga glicêmica, dar a fruta inteira, se tiver sede, dar água;
Chocolates;
Leites e derivados – Potencial alergênico;
Água de coco – até 1 ano de idade;

Eu me pergunto:
Por que tem essa angústia de introduzir os alimentos antes de ir para a escolinha?

Obrigada de coração a Fabiolla Duarte por ser a minha inspiração e me guiar neste momento tão delicado. Palestra no CONALCO na hora certa.

*Alimentação Complementar = De 6 meses á 1 ano de idade o leite materno é o principal alimento do bebê. Os outros alimentos vem para complementar, para provar e formar seu paladar. 

**Recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde): "O aleitamento materno deve ser exclusivo até os 6 meses de vida, e estimulado até os 2 anos de idade ou mais." e ainda "É o principal alimento da criança até 1 ano."


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...